Marquês de Marialva Baga Rosé

Tipo: Espumante Bruto
Região: I.G. Beira Atlântico
Produtor: Adega de Cantanhede
Enologia: Osvaldo Amado
Castas: Baga
Teor Alcoólico: 12,5%
Acidez Total: 6,8 g/l
Preço: 4,80 €

Usualmente usamos este espaço para escrever sobre espumantes singulares, complexos e de estágios longos, esquecendo outros que, pela sua importância, merecem destaques tão ou mais relevantes que aqueles. O espumante em prova é mais do que um vinho em si. É antes um exercício de pedagogia e inteligência de uma Adega que, mais do que olhar para o seu umbigo, ousou levantar a cabeça bem alto e firmar o olhar para além da linha do horizonte.

Até há uns anos atrás, a Adega de Cantanhede exibia com galhardia um total de produção anual de 350 mil garrafas de espumante, pelo método clássico e sempre com mais de 24 meses de estágio. Eram e são espumantes de grande categoria, contudo, o mercado mostrava uma timidez que impedia o crescimento destes puros Bairrada. A visão de uma administração, aliada ao conhecimento do que o Mundo pedia por parte da enologia, fez com que a Adega de Cantanhede criasse um produto que fosse mais directamente ao consumidor que necessitava de ser pedagogicamente educado para o consumo de espumantes. O resultado foi este MARQUÊS DE MARIALVA BAGA ROSÉ, cujos alinhavos foram feitos à medida de um consumidor menos experimentado, mas ávido de um espumante mais consensual.

Há, no entanto, um detalhe que não pode ser descurado. A Adega de Cantanhede criou um espumante mais fácil, mas não condescendeu uma vírgula no que toca à qualidade. Ao consumidor proporcionou, sobretudo, o prazer da fruta fresca, onde impera o morango, os frutos vermelhos maduros, a compota. Elevando o teor de açúcares a 7 gramas, ainda bem longe dos limites máximos para a categoria do espumante Bruto (12 gramas), o BAGA ROSÉ, com uma bolha fina, uma mousse envolvente, dotado da elegância e frescura de que a Adega não prescinde, cedo se tornou um sucesso de vendas, superando mesmo as melhores expectativas da casa. Podiam vocês questionar que a Adega de Cantanhede, com este produto, baixou a fasquia da qualidade? Nada mais errado! Foi este espumante pedagógico, conquistador de milhares de novos aficionados de espumante, que permitiu à Adega ganhar ainda mais fôlego para aumentar a fasquia dos seus espumantes Premium e, muito brevemente, surpreender-nos com novas referências ainda mais exigentes.

E, já agora, este “modesto” Espumante fez com que, em pouco tempo, a Adega de Cantanhede passasse das 350 mil garrafas anuais para o belo número de um milhão de garrafas!